09/07/07

Albert Einstein...





Bibliografia de Albert Einstein...

Einstein nasceu na região alemã de Wurttemberg, numa família JUDAICA: não-observante.
Em 1852, o avô materno de Einstein, Julius Koch, estabelece-se como comerciante de cereais em Bad Cannstatt, nos arredores de ESTUGARDA, (Stuttgart), uma cidade a cerca de noventa quilômetros a oeste de Ulm. O negócio prospera.Württemberg, na cidade de Ulm, numa família JUDAICA não-observante. Em 1852, o avô materno de Einstein, Julius Koch, estabelece-se como comerciante de cereais em Bad Cannstatt, nos arredores de ESTUGARDA, (Stuttgart), uma cidade a cerca de noventa quilômetros a oeste de Ulm. O negócio prospera.
Os pais de Einstein, Hermann Einstein e Pauline Koch, casam-se em 1876. Hermann muda-se de Bad Buchau para a cidade de Ulm, onde passou a viver com a esposa. Torna-se proprietário de um negócio de penas de colchões (o outro co-proprietário era um primo).
Albert Einstein, foi o físico que propôs a teoria da relatividade. Ganhou o PRÊMIO NOBEL da Física de 1921 pela correta explicação do Efeito fotoeléctrico; no entanto, o prémio só foi anunciado em 1922. O seu trabalho teórico possibilitou o desenvolvimento da energia atômica, apesar de não prever tal possibilidade sua opinião foi contra o desenvolvimento de arma de destrição em massa.
Após a formulação da teoria da relatividade em Junho de 1905, Einstein tornou-se famoso mundialmente, na época algo pouco comum para um cientista. Nos seus últimos anos, a sua fama excedeu a de qualquer outro cientista na história, e na cultura popular, Einstein tornou-se um sinônimo de alguém com uma grande inteligência e um grande gênio. A sua face é uma das mais conhecidas em todo o mundo. Em sua honra, foi atribuído o seu nome a uma unidade usada na FOTOQUÍMICA o einstein, bem como a um elemento químico, o EINSTENIN.

Foi um dos maiores gênios da FÍSICA tendo o seu QI estimado em cerca de 240. Algumas fontes informam um suposto resultado de 158, provavelmente limitado pelo teto do teste.



Nascimento
14 de Março de 1879Ulm, Alemanha
Falecimento
18 de Abril de 1955Princeton, EUA
Cidadania
Alemã (1879-96, 1914-33)Suíça (1901-55)Americana (1940-55)
Ocupação
Físico
Prêmios
Prêmio Nobel de Física (1921)


O que acontecia no mundo no período em que Albert Einstein viveu???????



O impacto das suas teorias na comunidade científica não é imediato, leva ainda alguns anos. Apenas em 1909 é nomeado professor de Física Teórica na Universidade de Zurique. Em 1911-1912, ocupa uma cadeira idêntica na Universidade de Praga. Exercende depois, entre 1913 e 1933 a direção do Instituto de Física em Berlim.
Em 1915 apresenta a sua Teoria da Relatividade Geral avança para uma nova concepção do universo, baseada em 4 dimensões: comprimento, largura, profundidade e tempo. Quatro
Dedica-se em seguida à elaboração da teoria do campo unitários, que agrupa os fenômenos electromagnéticos e gravitacionais.
Em 1919 os astrônomos A. Eddington e A.C. Crommelin, confirmam a teoria de Einstein observando o eclipse solar de 29 de Maio. O primeiro na ilha do Príncipe (antiga colônia de Portugal) e o segundo no norte do Brasil em Sobral. Dois anos depois recebe o Prémio Nobel da Física pela sua obra no domínio da física teórica e pela lei fotoeléctrico.
Como aconteceu a milhões de judeus, a sua vida corre cada vez mais perigo, devido à ascensão do Nazismo na Alemanha. Em 1933 acaba por decidir estabelecer-se nos EUA, naturalizando-se americano e passando a trabalhar no Instituto de Matemática da Universidade de Princeton, onde ficará até ao fim da vida. Após a sua partida os nazis confiscaram os seus bens e os seus escritos sobre a relatividade foram queimados na Praça da Ópera em Berlim.
Receando que os nazis se servissem da descoberta da cisão do urânio, para fabricarem uma bomba atômica, em 1939, escreve ao Presidente dos EUA. Este aproveita a idéia e avança com a produção das bombas que irão arrasar Hiroxima e Nagasaki. As teorias de Einstein, ainda que nem sempre compreendidas nos seus fundamentos matemáticos, acabaram por provocar uma profunda mudança na concepção do mundo físico, da realidade e da verdade.

www.wikipedia.org/wiki/Albert_Einstein


Que importância você atribui a esta descoberta?

Nós atribuímos várias informações, pesquisando e nos informando sobre Albert Einstein...
A vida dele e o que acontecia durante o trajeto da vida dele...
Tirando outras informações que conseguimos pesquisar.


Se você tivesse a oportunidade de ser um cientista o que faria pela humanidade?????

Tentaria inventar e construir mais fórmulas para as doenças...
Principalmente para a DOENÇA “CÂNCER”....

Nome:Bianca e Volnei Série:8ªA

Carl Sagan

ALUNAS:Fábia de Almeida nº13
Luana Andréia da Costa nº23

SÉRIE:8ªA

CAIC Profº Mariano Costa


**Carl Sagan**

Carl Edward Sagan nasceu em Brooklyn em Nova York no dia 11 de novembro de 1934.Aos doze anos ele decidiu ser astrônomo,mas foi na escola superior que realizou seus sonhos.
Ele foi uns dos maiores divulgadores da ciência criou muitos projetos.
Carl foi o que mais trabalhou em busca de inteligência extraterrestre.
Carl estudou muito o surgimento das primeiras formas de vida na Terra.Foi ele que fez o primeiro estudo através de Vênus os terríveis danos do efeito estufa na atmosfera.
Carl Sagan ficará com certeza na memória do planeta Terra!!!
Carl Sagan foi muito importante para a humanidade pois,fez muitos projetos para todos,ele foi o 1º que estudou os danos que o efeito estufa iria causar para o mundo.
Mais infelizmente hoje ele não esta mais entre nós,por isso nós temos que valorizar tudo que ele fez pela Terra.

2-Se você tivesse a oportunidade de um cientista o que você faria pela humanidade?justifique.
R-Eu tentaria melhorar o mundo mostrando a humanidade a importância dele para todos.Tentaria criar novos projetos para diminuir a poluição,a falta de água no nosso planeta e outras coisas que podem melhorar o mundo!

alunas: Daiane e Silvana ''César Lattes''










Introduçao



Neste trabalho contem informações importantes sobre um famoso cientista chamado César lattes que por alguns anos foi muito útil para o mundo cientifico brasileiro, que ajudou nas descobertas para ampliação da ciência.


Fatos que marcaram sua vida


Cesare Mansueto Giulio Lattes, mais conhecido simplesmente como César Lattes, foi um físico brasileiro nasceu numa família de judeus italianos imigrantes em Curitiba, no Sul do Brasil.

Fez os seus primeiros estudos naquela cidade e em São Paulo, vindo a graduar-se na Universidade de São Paulo, formando-se em 1943, em Matemática e Física.
Lattes foi considerado o mais brilhante destes e foi descoberto, ainda muito jovem, como um pesquisador de campo. Seus colegas, que também se tornaram importantes cientistas brasileiros, foram Oscar Sala, Mário Schenberg, Roberto Salmeron, Marcelo Damy de Souza Santos e Jayme Tiomno. Com a idade de 23 anos, ele foi um dos fundadores do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas no Rio de Janeiro.
De 1947 a 1948, Lattes começou a sua principal linha de pesquisa, pelo estudo dos raios cósmicos, os quais foram descobertos em 1932 pelo físico Estadunidense Carl David Anderson. Ele preparou um laboratório a 5.000 metros de altitude, nas montanhas dos Andes, na Bolívia, empregando chapas fotográficas para registrar os raios cósmicos.
Em 1949, Lattes retornou como professor e pesquisador na Universidade Federal do Rio de Janeiro e no Centro Brasileiro de pesquisa. Depois de outra breve estada nos EUA (de 1955 a 1957), ele voltou para o Brasil e aceitou uma posição na sua alma mater, o Departamento de Física da Universidade de São Paulo.


Em 1967, Lattes aceitou a posição de professor titular no novo Instituto "Gleb Wataghin" de Física na Universidade Estadual de Campinas, nome que se originou de seu professor fundador, o qual ele também ajudou a fundar. Ele também se tornou o diretor do Departamento de Raios cósmico Altas energias e Leptons. Em 1969, ele e seu grupo descobriram a massa das co-denominadas bolas de fogo, um fenômeno espontâneo que ocorre durante colisões de altas-energias, e os quais tinham sido detectados pela utilização de chapas de emulsão fotográfica nucleares inventadas por ele, e colocadas no pico de Chacaltaya nos Andes Bolivianos.
Lattes aposentou-se em 1986, quando recebeu o título de doutor honoris causa e professor emérito desta universidade. Mesmo aposentado ele continuou a viver em uma casa no subúrbio próxima ao campus da universidade. Ele morreu de ataque cardíaco em Março de 2005.
Lattes é um dos mais distintos e condecorados físicos brasileiros, e seu trabalho foi fundamental no desenvolvimento da física atômica. Ele também foi um grande líder científico dos Físicos Brasileiros e foi uma das principais personalidades por trás da criação de várias instituições importantes como Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Ele figura como um dos poucos brasileiros na Biographical Encyclopedia of Science and Technology de Isaac Asimov, como também na Enciclopédia Britânica. Embora ele tenha sido o principal pesquisador e primeiro autor do histórico artigo da Nature descrevendo méson pi, Cecil Powell foi o único agraciado com o Prémio Nobel de Física em 1950 pelo "seu desenvolvimento de um método fotográfico de estudo dos processos nucleares e sua descoberta que levou ao descobrimento dos mésons".

César Mansueto Giulio Lattes nasceu em Curitiba a 11 de julho de 1924, filho de Giuseppe Lattes e de D. Carolina Maria Rosa Lattes. É casado com D. Martha Siqueira Neto Lattes, tem quatro filhas e nove netos.
Fez seu estudo, primários na Escola Americana de Curitiba entre 1929 e 1933, e secundário no Instituto Médio Dante Alighieri, em São Paulo, de 1934 a 1938. Ingressou no Departamento de Física da Faculdade de Filosofia e Ciências e Letras da USP, concluindo o Bacharelado em 1943; recebeu desta Universidade o Título de Doutor Honoris Causa em 1948. É Professor Titular aposentado da Universidade Federal do Rio de Janeiro, do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas e da Universidade Estadual de Campinas.
Sua carreira científica teve início em meados dos anos 40, no então Departamento de Física da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, quando publicou trabalho científico sobre a abundância de núcleos no universo, sob a orientação de Gleba Wataghin.
Desde então teve seu nome ligado a resultados científicos da maior repercussão e a iniciativas das mais fecundas para o progresso da ciência no Brasil e na América do Sul. A descoberta do píon em 1947, em colaboração com G. Occhialini e C.F. Powell foi o marco em sua carreira que se fez acompanhar das mais significativas conseqüências.
De um lado a descoberta revelava a partícula, presumivelmente, responsável pelo comportamento das forças nucleares. O alcance desse feito ultrapassou as fronteiras da ciência fundamental dadas as expectativas que então revestiam qualquer ampliação de conhecimentos nesses domínios; o desenvolvimento da energia nuclear, no pós-guerra, demandava formulações que o aliviassem do empirismo oneroso e, muitas vezes, arriscado com que vinha se fazendo. A produção artificial daquela partícula, em 1948, ainda por Lattes, mas agora em associação com Eugene Gardner, no recém-construído sincro-ciclotron da Universidade da Califórnia, em Berkeley, marcou o início de formidável corrida para a construção de aceleradores mais e mais potentes que caracterizou a física nuclear do pós-guerra.
De outro lado, amplas aberturas no terreno da institucionalização da ciência, no Brasil e na América do Sul, acompanharam essa descoberta, ligadas diretamente ao regresso e permanência definitiva de Lattes no continente sul-americano.
Lidera um grupo científico que em 1949 criou o Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, Instituto que polarizou e agasalhou iniciativas como a da formação do Instituto de Matemática Pura e Aplicada, a da Escola Latino-Americana de Física, o Centro Latino-Americano de Física, enquanto se destacava pela atividade de pesquisas em nível internacional, pelas medidas de modernização dos currículos de ensino da física e as de formação do pessoal que constitui hoje parcela ponderável da liderança científica atuante na física brasileira.
No mesmo ano, junto com colegas bolivianos, cria em Lá Paz, as condições para o que viria a ser o Laboratório de Físicas Cósmicas, a partir de uma velha estação de observações meteorológicas, onde obtivera os registros dos eventos que levaram à descoberta do píon. Cedo esse Laboratório se transformava em centro científico do maior interesse internacional, abrigando em suas dependências equipamentos e cientistas de todas as partes do mundo que ali escreveram importantes capítulos do conhecimento sobre a radiação cósmica.
Ambas as instituições resistiram aos duros testes do tempo, tendo o Centro Brasileiro de Pesquisas Físico sido absorvido pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do governo brasileiro, e o Laboratório de Chacaltaya, hoje Laboratório de Física Cósmica, pela Universidad Mayor de San Andrés, constituindo o principal organismo de seu Instituto de Física.
Sua atuação no Brasil durante os primeiros anos teve, também, papel importante na catalização dos esforços que levaram finalmente à criação do Conselho Nacional de Pesquisas - atual Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - em 1951. Pela criação de um órgão com suas características lutava de há muito a comunidade científica brasileira, constituída em sua maioria por pesquisadores nas ciências biológicas; a eles vieram se aliar grupos de interessados no desenvolvimento da tecnologia nuclear, mas sem poder de transação com a burocracia, face à escassa tradição e à falta de autoridade científica reconhecida naqueles domínios. O Conselho Nacional de Pesquisas deu novo impulso à pesquisa científica e tecnológica no Brasil, tendo contado com Lattes na composição de seu primeiro Conselho Diretor.
Diretor Científico do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas desde a fundação, e principal consultor científico nos primeiros anos do Laboratório de Chacaltaya, deixa esses encargos em 1955 para uma curta temporada nos Estados Unidos. Recusando convites os mais honrosos, como o de substituir o falecido Enrico Fermi na chefia do seu Instituto na Universidade de Chicago, retorna ao Brasil dois anos depois para criar, na USP, um laboratório para estudos de interações a altas energias na radiação cósmica. Participa, em 1962, do grupo pioneiro que organizava a Universidade Estadual de Campinas, transferindo-se para essa cidade no ano seguinte e dando início à formação de seu Instituto de Física. Em curto período essa universidade conquistou elevado conceito nos meios universitários brasileiros e, em particular, seu instituto de física é creditado como dos melhores no Brasil, cercado de grande prestígio e projeção internacional.
Não obstante a singular repercussão da descoberta do píon, as contribuições não esgotam, absolutamente, nesse memorável feito. Dono de rara versatilidade seus trabalhos incluem contribuições do maior mérito em variados campos da física moderna, desde pesquisas teóricas sobre as origens e abundância de espécies nucleares no universo e eletrodinâmico clássica, até desenvolvimentos instrumentais, na área das emulsões nucleares, estes últimos cercados de auspiciosas aberturas; como membro do grupo de Bristol, na segunda metade dos anos 40, é participante da brilhante seqüência de desenvolvimentos que culminaram na elevação das emulsões nucleares, antes precários dispositivos de registro ionográficos, à categoria de instrumentos de medição. Esses trabalhos não somente viabilizaram a descoberta do píon, como propriedades físicas. A partir de 1962 lidera a reunião de grupos brasileiros e japoneses num projeto de longo alcance sobre interações a altas energias na radiação cósmica: a Colaboração Brasil-Japão. Desde então os resultados pioneiros desse grupo, em domínios então fora do alcance dos mais potentes aceleradores em operação ou em projeto, ganharam elevado prestígio nos meios científicos internacionais, considerados como promissoras aberturas para expansão das fronteiras da física moderna.
Membro da Academia Brasileira de Ciências, da União Internacional de Física Pura e Aplicada, do Conselho Latino-Americano de Raios Cósmicos, das Sociedades Brasileira, Americana, Alemã, Italiana e Japonesa de Física, entre outras associações, ocupou numerosas vezes posições de conselheiro, quando contribuiu com sua experiência e visão pioneira para a formulação de políticas e diretrizes de ação. Tem sido alvo de repetidas homenagens por parte de organizações oficiais e privadas no Brasil e no exterior e inúmeras vezes foi escolhido paraninfo ou patrono de contingentes de novos estudantes, formandos em ciências exatas e aplicadas. Entre prêmios, medalhas e comendas, recebeu, no Brasil, o Prêmio Einstein de 1950, o Prêmio Fonseca Costa, do CNPq, em 1958, a Medalha Santos Dumont em 1989, a Medalha comemorativa dos 25 anos da SBPC e placa comemorativa dos 40 anos dessa sociedade, o símbolo do Município de Campinas, em 1992, e muitos outros. Orgulha-se, particularmente, da iniciativa de dezenas de municípios brasileiros que lhe deram o nome a escolas municipais, bibliotecas, praças, ruas.
Sua atuação no continente sul-americano foi reconhecida pelo governo boliviano, que lhe concedeu o título de cidadão honorário daquele país, em 1972, pelo governo da Venezuela, que lhe conferiu a comenda Andrés Bello em 1977, e pela Organização dos Estados Americanos, que lhe outorgou o prêmio Bernardo Houssay, em 1978; em 1987 recebeu o Prêmio de Física da Academia do Terceiro Mundo.
Pessoa simples oferece o calor de sua intimidade indistintamente a quantos o procuram; vê com acentuada preocupação os usos destorcidos dos conhecimentos científicos no mundo moderno e manifesta suas opiniões sem reverências, à revelia de preconceitos e interesses menores. Observa com o píons que descobriu. Esta será, talvez, a maior gratificação que espera receber de sua vida devotada ao progresso da ciência e combate ao subdesenvolvimento.

Cesarate mansueto morreu no dia 8 de março de 2005


Se eu fosse um cientista eu iria fazer de tudo para poder ajudar a humanidade.
Eu inventaria algumas formas de remédios vários projetos e além de diversas casas de reabilitação para ajudar as pessoas que realmente necessitam para terem uma vida melhor com suas famílias.

Carlos Chagas

Se você fosse um cientista o que você faria?

Eu deixaria de fazer coisas que não são tão úteis, para fazer coisas úteis para todos, não só para os que tem poder... Até porque os que tem poder pensam apenas neles.
E eu não ajudaria apenas em bens materiais, e sim também na saúde, familía, emprego,
comunicação e tentaria ajudar no que fosse possível! Deixaria de fazer campos de futebol por exemplo, para melhorar hospitais, lar de idosos, postos de saúde, e meio ambiente.

CAIC Professor Mariano Costa
Alunas: Tatiana Milena Nº 34
Kamila da Luz Nº20
Série: 8ªA

Nicolau Copérnico

alunos: Diogo Felipe Ramos
8 c

Benjamin Franklin


Benjamin Franklin nasceu em Boston, 17 de Janeiro de 1706 – e morreu em Filadélfia, 17 de Abril de 1790) foi um jornalista, editor, autor, filantropo, abolicionista, funcionário público, cientista, diplomata e inventor americano, que foi também um dos líderes da Revolução Americana, e é muito conhecido pelas suas muitas citações e pelas experiências com a eletricidade. Um homem religioso (calvinista), ele é ao mesmo tempo uma figura representativa do Iluminismo. Ele trocava correspondência com membros da sociedade lunar e foi eleito membro de Royal Society. Em 1771, Franklin tornou-se o primeiro Postmaster General (ministro dos correios) dos Estados Unidos da América.
Juventude
Ele nasceu em Boston. O seu pai, Josiah Franklin, era comerciante de velas de cera, e casou duas vezes. Benjamin foi o 15º filho de 20 crianças nascidas dos dois casamentos. Deixou os estudos aos dez anos de idade e com 12 anos começou a trabalhar como aprendiz do seu irmão, James, um impressor que publicava um jornal chamado "New England Courant".
Ele tornou-se um contribuidor desta publicação e foi por algum tempo o seu editor nominal. Os irmãos tiveram uma discussão e Benjamin fugiu, indo primeiro a Nov Iorque e depois a Filadélfia, aonde chegou em Outubro de 1723.
Em breve encontrou trabalho como impressor, mas após alguns meses, ele foi convencido pelo governador Keith a ir para Londres, onde, desiludido das promessas de Keith, voltou a trabalhar como compositor tipográfico numa impressora, até que um mercador chamado Thomas Denham o fizesse regressar a Filadélfia, dando-lhe uma posição na sua empresa.
Em 1732 ele começou a publicar o famoso Almanaque do Pobre Ricardo (Poor Richard's Almanac), no qual se baseia uma boa parte da sua reputação popular nos EUA. Provérbios deste almanaque tais como "um tostão poupado é um tostão ganhado” , são hoje muito conhecido, mesmo em todo o mundo.
Franklin e muitos outros membros da associação filosófica juntaram os seus recursos em 1731 e iniciaram a primeira biblioteca pública de Filadélfia. Fundaram para esse fim uma empresa, que encomendou os seus primeiros livros em 1732, na sua maioria livros de teologia e educacionais, mas em 1741 a biblioteca também incluía obras de história, de geografia, de poesia e de ciência. Os sucessos desta empreitada encorajaram a abertura de bibliotecas em outras cidades americanas e Franklin sentiu que este (iluminismo) fazia parte da luta das colônias na defesa dos seus interesses.
Assuntos públicos e estudos científicos
Em 1758, o ano em que ele deixou de escrever para o almanaque, imprimiu "O sermão do pai Abraão", hoje considerado como o texto mais famoso da literatura produzida na América dos tempos coloniais.
Entretanto, Franklin estava preocupado cada vez mais com os assuntos públicos. Ele planejava criar uma academia, um projeto que acabou mais tarde por ser reelaborado, tendo dado origem à Universidade da Pensilvânia. Fundou a sociedade filosófica americana com o fim de fomentar a comunicação das descobertas entre os homens da ciência. Ele já tinha começado a pesquisa da eletricidade, que o iria ocupar, juntamente com outros temas científicos, até ao fim da sua vida (juntamente com a política e com os negócios).
Em 1748 ele vendeu o seu negócio por forma a poder ter mais tempo livre para os estudos, agora que tinha adquirido uma riqueza notável. Num espaço de poucos anos ele fez descobertas sobre a eletricidade que lhe trouxeram uma reputação internacional. Franklin identificou as cargas positivas e negativas e demonstrou que os trovões são um fenômeno de natureza elétrica.
Franklin tornou esta teoria inesquecível através da experiência extremamente perigosa de fazer voar um papagaio durante a trovoada, em 5 de junho de 1750. Tem sido questionado recentemente se Franklin efetuou esta experiência ou não. A questão permanece controversa. Franklin, nos seus escritos, demonstra que estava consciente dos perigos e dos modos alternativos de demonstrar que o trovão era elétrico. Se Franklin fez a experiência, ele não a fez da forma descrita (ela teria sido fatal). As invenções de Franklin incluíram o pára-raios, o aquecedor de Franklin - Franklin stove (um aquecedor a lenha que se tornou muito popular, debitando uma corrente de ar diretamente na área a aquecer) e as lentes bifocais. Franklin estabeleceu duas áreas de estudo importantes das ciências naturais: eletricidade e meteorologia. Na sua obra clássica " A história das teorias da eletricidade e do Éter", Sir Edmund Whittaker refere-se à inferência de Franklin de que quando se esfrega uma substância não se cria nenhuma carga elétrica mas esta é apenas transferida, de modo que "a quantidade total em qualquer sistema isolado é invariável". Esta asserção é conhecida como o "princípio da conservação da carga". Como tipógrafo e editor de jornais, Franklin freqüentava os mercados dos agricultores para angariar notícias. Um dia, Franklin notou que a notícia que dava conta de uma tormenta num lugar distante da Pensilvânia deverá ser a mesma tormenta que visitou Filadélfia em dias recentes. Foi o impulso que o levou à noção de que algumas tormentas se deslocam, o que levou aos mapas sinópticos da meteorologia dinâmica, substituindo a dependência única pelos gráficos da climatologia. Em 1751, Franklin e o Dr. Thomas Bond obtiveram o alvará da legislatura da Pensilvânia para estabelecer um hospital. O hospital da Pensilvânia seria o primeiro hospital a ser criado naquela nação nascente que se chamará Estados Unidos da América. Na política, ele provou ser um hábil administrador e também uma figura controversa. O seu bom registro como administrador é manchado pelo uso pessoal da sua influência no avanço dos seus familiares. O seu mais notável serviço à política doméstica consistiu na reforma do sistema postal. Mas ganhou fama especialmente como estadista, com os seus serviços diplomáticos e na ligação das colônias com a Grã-Bretanha e mais tarde com a França. Também esteve envolvido na criação do primeiro corpo de bombeiros voluntários dos EUA, a primeira biblioteca pública gratuita e muitos outros empreendimentos cívicos.
Em ele liderou a delegação da Pensilvânia ao congresso de Albany. Este encontro de várias colônias tinha sido requerido pela associação comercial (Board of Trade) inglesa para melhorar as relações com os índios na defesa perante os franceses. Franklin propôs um amplo plano de união para as colônias. Apesar do plano não ter sido adaptado, elementos dele encontraram posteriormente lugar nos artigos da confederação e da Constituição Americana.
Últimos anos
Após o retorno à América, ele tomou uma parte honorável no caso Paxton, através do qual ele perdeu o seu assento na assembléia, mas em 1764 ele foi novamente enviado para Inglaterra como agente das colônias, desta vez a pedido do Rei, para retirar o governo das mãos dos proprietários. Em Londres, opôs-se ativamente à proposta de lei do Selo (Stamp Act) mas perdeu a face por isto e muita da sua popularidade por ter assegurado a um amigo o cargo de agente fiscal nos EUA. Mesmo o seu trabalho eficaz no apoio à revogação da lei não contribuiu para reganhar a popularidade, mas ele continuou os seus esforços na defesa das colônias mesmo quando as disputas avançavam para a crise da revolução. Isto também lhe causou o conflito irreconciliável com o seu filho, que permaneceu ardentemente leal ao governo britânico. Em 1767 ele atravessou o canal até França, onde foi recebido com honra; mas antes do seu regresso a casa em 1775, ele perdeu a sua posição como ministro dos correios (postmaster) devido ao papel que teve na divulgação a Filadélfia da famosa carta de Hutchinson e Oliver. Na sua chegada a Filadélfia, ele foi eleito com membro do congresso continental e assistiu a redação da Declaração da Independência Americana. Em Dezembro de 1776 ele foi enviado para França como emissário dos Estados Unidos. Ele residiu numa casa no subúrbio parisiense de Passy, doada por Jacques-Donatien Le Ray de Chaumont que se tornaria um amigo e o estrangeiro mais importante na ajuda obtida pelos Estados Unidos na Guerra da Independência Americana. Benjamin Franklin permaneceu em França até 1785, tendo sido muito apreciado na sociedade parisiense. Franklin era tão popular que se tornou chique para famílias ricas francesas decorar os seus salões com um quadro dele.Ele conduziu os assuntos de estado do seu país com um tal sucesso, incluindo uma aliança militar importante e negociando o tratado de Paris (1783), que, quando regressou definitivamente aos EUA, recebeu um lugar meritório na independência americana, apenas superado pelo próprio George Washington.Quando Franklin foi chamado a regressar aos EUA em 1785, o rei honrou-o com a encomenda de um retrato pintado por Joseph Siffred Duplessis que hoje está exposto na Galeria do Retrato Nacional, do Instituto Smithsonian em Washington, DC Adicionalmente, após o seu retorno de França em 1785, ele tornou-se um abolicionista da escravatura, tendo-se tornado presidente da Sociedade promotora da abolição da escravatura e da libertação dos negros ilegalmente retidos em cativeiro.



CONCLUSÃO
Nós entendemos que o Benjamim Franklin, ele descobriu a eletricidade e inventou o para-raio e fez muitos livros e foi muita coisa importante.
Nome:
Benjamim Franklin
DATA de nascimento:
17 de Janeiro de 1706
Morreu em:
17 de Abril de 1790
Nacionalidade:
Boston
Contexto histórico:
5 de Junho de 1750 - Benjamin Franklin resolve empinar uma pipa numa tempestade sofrendo uma descarga atmosférica Em 1764 é fundada a Universidade de Brown, em Providence, Rhode Island, nos EUA. 4 de Julho de 1776 - Início da Revolução Americana, contra o colonialismo britânico, com a publicação da Declaração da Independência dos Estados Unidos da América.
3 de Setembro de 1783 - Fim da Guerra da Independência dos Estados Unidos da América.
Fatos que marcaram a sua vida:
Ele tornou-se um contribuidor desta publicação e foi por algum tempo o seu editor nominal. Os irmãos tiveram uma discussão e Benjamin fugiu, indo primeiro a Nov Iorque e depois a Filadélfia, aonde chegou em Outubro de 1723.
Dificuldades que enfrentou:
Os últimos anos de sua vida foram muito difíceis para ele, porque foi culpado de várias fraudes.
O que ele pela ciência ou pelo mundo?
Ele inventou a energia elétrica
Quais as importâncias vocês atribuíram dele?
Que ele não media esforços para o que fazia e era um homem muito batalhador
Se você tivesse a oportunidade de um cientista, o que você faria pela humanidade?Justifique.
Eu faria algum tipo de cura para todas as doenças para que as mais difíceis doenças sejam curadas.




Fonte: http://www.general-anaesthesia.com/images/anton-mesmer.html




Alunos: Jhennefer, Weslley
Serie 8ª ‘B’

John Ambrose Fleming


John Ambrose Fleming nasceu no dia 29 de novembro de 1849 em Lancaster na Inglaterra, e faleceu no dia 18 de abril de 1945, foi um engenheiro eletrônico e físico britânico. Foi consultor científico de Marconi de 1899-1905, onde desenvolveu técnicas de radiotelegrafia, osciladores de centelhamento, geradores de ruído branco, e desenvolvimento de circuitos sintonizados. Aperfeiçoou diversos sistemas de geradores e luminárias elétricas quando trabalhou para Thomas Alva Edison, (1847-1931), na Edson Electric Light Company, em Londres de 1881 a 1891.
O físico britânico John Ambrose Fleming, descobriu que o efeito da lâmpada poderia ser usado para detectar ondas de rádio. Fleming trabalhou no desenvolvimento de um tubo de vácuo de dois elementos, conhecido como diodo
John Fleming, em 1900 foi preso, pelas autoridades dos E.U.A. por suspeita de envolvimento em vários crimes.

Que importância você atribui a experiências para a humanidade?
Nos entendemos que sua descoberta foi muito importante para a comunicação

Se você

Alunos:Francis Carlos Ferreira n°12
Fabricio Freiberger Selhorst n°11
Série: 8ªB